Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

Publicidade

29
Nov16

Investigadora portuguesa recebe prémio de 40 mil euros para trabalho sobre doença intestinal

links1.png

 

 

Resumo:

 

Uma proposta da investigadora Salomé Pinho, do i3S, para realização de ensaios pré-clínicos com objetivo de encontrar uma nova estratégia terapêutica para a doença inflamatória intestinal (DII) foi premiada com 40 mil euros, anunciou hoje a instituição do Porto.

O original pode ser lido aqui:

http://diariodigital.sapo.pt/news.asp?id_news=851588

.

24
Nov16

Trabalhos de biologia celular e gastroenterologia são os vencedores dos Prémios Pfizer de Investigação, no valor de 20 mil euros cada, que são anunciados esta terça-feira.

links1.png

 

Resumo:

 

Temos portugueses a fazer investigação sobre a DC  .

 

Uma equipa descobriu, nos intestinos de ratinhos, que o sistema nervoso funciona como um guardião da saúde intestinal, protegendo os tecidos contra as infecções e combatendo-as quando elas surgem. Por isso, Henrique Veiga Fernandes vai receber o prémio de Investigação Básica atribuído pela Pfizer (...)

 

 

O original pode ser lido aqui:

https://www.publico.pt/ciencia/noticia/da-troika-multicelular-nos-intestinos-ao-efeito-de-um-botao-numa-endoscopia-1751102

 

 

ps: Obrigado à Zoraida pela dica.

22
Nov16

Perguntas que me abrem os olhos

saude24.png

 

 

Na semana passada tive gripe. E que gripe, este ano a gripe está mesmo muito FORTE! Primeiro foi a minha cara metade que ficou com os sintomas e já sabendo que me ia acontecer o mesmo comprei mantimentos a contar com alguns dias de indisponibilidade para sair de casa.

 

Dito e feito, nesse mesmo dia à noite comecei a ficar cheio de frio (estava a ficar com febre) e no dia seguinte estava a sentir-me mal como a ***** (perdoem-me o meu inglês). Ao segundo dia de gripe continuava completamente de rastos, e quando falei ao telefone com a minha mãe ela começou a "chatear-me" para ligar à saúde 24 porque podia ser algo grave, e que eu não devia tomar ben-u-ron para baixar a febre e fez-me prometer que ligava para a dita linha.

 

Passados uns 10 minutos do fim da chamada voltou a ligar-me: "Não mãe, ainda não liguei para lá" (revirei tanto os olhos que conseguia ver a parte interior da minha nuca, obrigado por me tratares como uma criança  mãe.... ). Desisti, não estava em estado de receber chamadas a cada 5 minutos a perguntar se eu já tinha telefonado ou se ainda estava vivo e lá liguei.

 

Atendeu-me uma rapariga muito simpática que fez uma data de perguntas. E aqui está a razão para este artigo: "Sr. José, o senhor é saudável?". Consegui sentir a mensagem a passar de neurónio para neurónio, em parte por ter a cabeça em papa por causa gripe, espera aí, é suposto dizer o meus problemas de saúde?....: "Doença de Crohn e Espondilite Anquilosante". E enquanto ela falava, por uns momentos fiquei a pensar, pois é, tenho 33 anos e duas doenças crónicas e ambas são nada simpáticas em termos de efeitos secundários. E por uns momentos a ideia de que NÃO sou saudável deixou uma sensação muito desagradável. Pior, como tenho estas doenças a enfermeira achou que eu devia ir ao médico e tentou arranjar-me uma consulta num centro de saúde aqui em Évora, acreditam que não há um? Apenas Centros de saúde familiar que não aceitam pessoas de fora! A solução? Ir para as urgências do hospital de Évora!!!!! E para que percebam o porquê de todos estes pontos de interrogação, um dia fui lá com a minha cara metade e havia um senhor/a que estava à espera para ser atendido há 6 horas! SEIS HORAS! Obviamente acabei por não ir para o hospital e no dia seguinte a febre já tinha descido para ~37ºC e no dia seguinte a esse já não tinha nada. Não tive qualquer sintoma de Crohn durante a gripe, ou depois dela.

 

Não gostei de perceber que sou um doente crónico e não gostei de por o ser ter de ter mais cuidados, ter de ir ao hospital preventivamente. Com esta idade é suposto sentir-me indestrutível e perceber que não é esse o caso não é agradável e um pouco revoltante, dá vontade de começar a dar murros nas paredes... 

21
Nov16

Mistério das minhas crises revelado?

Parece haver uma periodicidade nas minhas crises, ignorem as pequenas, não ignorem as grandes (aquelas em que acabo por vomitar):

 

crises-26112016.png

 

Não sei qual a relevância estatística destes dados. Mas desta vez não tive uma má noite, e no dia seguinte já estava a comer normalmente (ao invés de fazer um dia de jejum). E porque sobrevivi melhor desta vez?

 

No dia da crise fui a um restaurante mexicano, tive o cuidado de só comer coisas que podia. Erro crasso! Mesmo os pratos do menu sem picante pertenciam à categoria "não posso comer"... Não cheguei a meio da refeição, quanto mais às sobremesas. Comecei a sentir o já conhecido enfartamento, muita sonolência e umas ligeiras cólicas que, mais uma vez como é costume, foram evoluindo para cólicas não tão ligeiras como isso. O jantar ficou a meio, tive de sair para ir para casa resolver o problema. Fui para o carro e lá fiz a viagem de 30 minutos até casa (tortura).

 

Mas desta vez quando cheguei a casa não estive com meias medidas, não esperei que as cólicas ficassem pior, ou que os vómitos naturais que já estava a ter fizessem o seu efeito, induzi imediatamente o vómito! Depois bebi uma caneca de chá e voltei a induzir o vómito e aqui sim vomitei como deve ser! Já me tinham dito que ajuda imenso a vomitar ter o estômago cheio de liquido, e se duvidas tivesse, agora não tenho. Foi muito rápido e eficiente, sem sofrimentos, duas ou três vomitadelas fortes e estava pronto para ir para cama. Lavei a boca e fui dormir! Nem mais uma dor, dormi pacificamente até ao dia seguinte e acordei bem disposto, a única coisa a relatar eram uns barulhos ligeiros na barriga.

 

Portanto será que estas crises não passam de uma intolerância a um ingrediente qualquer?? Pelo menos sei que das próximas vezes o que tenho que fazer é encher o estômago de água e esvazia-lo o mais depressa possível.

18
Nov16

Testada a eficacia de tratamento da doença de Crohn com Azatioprina, resultados dizem que tem a mesma eficácia que o placebo

links1.png

 

Resumo:

 

Esta noticia só pode ser catalogada de BOMBÁSTICA! Parece que se decidiu fazer um estudo relativamente à eficácia do tratamento da DC utilizando Azatioprina (Imuran) e os resultados dizem que não há diferenças estatísticas relevantes nas taxas de remissão da doença. Trocando isto por miúdos, quem tomou o placebo teve taxas de remissão semelhantes a quem tomou o medicamento. Portanto o medicamento não está basicamente a fazer nada! Não sou perito na área, mas a serem verdade estes resultados e tendo em conta as contra indicações que estes medicamentos têm, quem os toma devia ponderar seriamente a situação. Ler bem o artigo em inglês, pesquisar na internet estes resultados e ter uma conversa séria com o médico, porque se o medicamento não faz nada... que razão há ara se continuar a tomar?

 

 

O original em inglês pode ser lido aqui:

http://www.empr.com/news/antimetabolite-therapy-and-crohns-disease-efficacy-safety-examined/article/568829/

 

13
Nov16

Artigo que fala da doença de Crohn no Onservador

links1.png

 

Resumo:

 

Tenho que fazer uma ressalva, sim eu sei que o Observador é um site com uma agenda politica, e este artigo também tem uma intenção política por trás. Mas penso já ter deixado, várias vezes, claro que este blog não toma posições políticas, ou religiosas ou sobre outros assuntos que dividem a sociedade. A razão pela partilha deste artigo é porque acho que tem uma parte muito interessante que é a que transcrevi aqui:

 

(...)Há um par de anos o ministro finlandês da Saúde fez o que todos os políticos ligados às questões que tocam nas fibras mais sensíveis das populações deviam fazer: durante um dia inteiro simulou ser um doente crónico mimetizando o comportamento de um jovem com doença de Crohn. Para quem tem a felicidade de não saber do que se trata, deixo aqui o essencial sobre uma doença inflamatória do intestino que afecta principalmente jovens adultos entre os 16 e os 40 anos: dor ou cólica abdominal severa, febre, diarreias brutais e recorrentes (perdoem-me a escatologia, mas é mesmo esta a realidade da esmagadora maioria dos doentes).O dia que o ministro da Saúde finlandês guardou na sua agenda para assumir as dores e desconfortos (simulados, note-se) de um jovem doente, foi passado a copiar exactamente o ritmo deste mesmo rapaz. Recebeu dezenas de sms no seu telemóvel indicando sintomas e procedimentos. Durante a manhã e ao longo da tarde foi obrigado a interromper as reuniões de trabalho vezes sem conta para se sentar na retrete durante pelo menos dez minutos seguidos (felizmente sem desconforto nenhum, já que estava apenas a simular, insisto) e assim imitar o quotidiano daquele jovem.Abstenho-me de enunciar aqui detalhes que seriam insuportáveis para quem lê uma simples crónica de jornal, habitualmente sem cheiros nem cores, mas posso garantir que ao fim do dia o ministro da Saúde estava estafado, enervado, frustrado e sem mais capacidade de resistência. Mesmo tendo apenas simulado ser um doente de Crohn e não passando realmente pelas dores e desconfortos, o ministro terá desabafado: “Não sei como é que conseguem viver assim todos os dias que duram as crises, nem como se atravessa uma vida inteira com uma doença crónica”.No dia seguinte retomou a normalidade, coisa que não aconteceu com o rapaz, nem acontece com os doentes crónicos nem com os portadores de deficiências ou doenças incapacitantes, claro. Tenho a certeza de que a experiência de se pôr na pele de um doente mudou para sempre a perspectiva deste responsável pela saúde pública e privada de todo um país (...)

 

Quanto ao resto do artigo, como disse em cima, no comment! 

 

 

O original pode ser lido aqui:

http://observador.pt/opiniao/questoes-mesmo-fracturantes/

.

10
Nov16

O Velho Continente é o novo mundo da canábis

links1.png

 

Resumo:

 

A utilização da canábis para fins medicinais é cada vez mais uma realidade e está a alastrar na Europa. Brendan Kennedy, CEO da Privateer Holdings, falou esta quinta-feira na Web Summit e revelou que a sua empresa quer investir em Portugal.Encontrei este artigo hoje ao ler as noticias no jornal expresso (ao contrário do sistema automático que tenho implementado que me avisa sempre que um artigo é lançado com as palavras "doença de Crohn". Vamos ver se isto acelera as pequisas para a DC.Aqui ficam as partes que achei sere mais importantes/interessantes:

 

Era até há poucos anos um dos maiores tabus da indústria farmacêutica e da comunidade médica, mas o uso de canábis para fins medicinais tem vindo a crescer. E não se trata apenas de um crescimento em número de utilizadores. A canábis é cada vez mais estudada e são várias as empresas a tentar entrar num negócio multimilionário (...)

.

(...) a legalização da canábis para fins medicinais na Alemanha avança já no início do próximo ano. "Na Alemanha, 80 milhões de pessoas poderão ter acesso à canábis medicinal mediante uma simples prescrição do seu médico (...)

.

(...) Em março deste ano, o ministro alemão da saúde, Hermann Groehe, havia explicado o porquê da abertura da República Federal Alemã às novas terapêuticas. "O nosso objetivo é que os doentes graves sejam tratados da melhor maneira possível (...)

.

(...) A investigadora norte-americana não tenta fazer uma apologia do uso de canábis em todos os casos. Catherine considera "necessário que se estudem as composições químicas de cada espécie para que se perceba o que está em causa" e quais as melhores plantas para o tratamento de cada doença. Por enquanto, a administração da canábis para fins medicinais é feita "essencialmente através da inalação de vapores da planta seca, mas é preciso ir mais além". A ideia é que se criem também "sprays nasais e pensos dérmicos" seguros para os utilizadores. (...)

 

O original pode ser lido aqui:

http://expresso.sapo.pt/web-summit/2016-11-10-O-Velho-Continente-e-o-novo-mundo-da-canabis

09
Nov16

Remédios biológicos são tão bons quanto os seus ‘genéricos’

links1.png

 

Resumo:

 

Muito mais complexos, difíceis de fabricar e caros, os medicamentos biológicos também possuem os seus genéricos, conhecidos como biossimilares. Agora, uma análise feita a partir de vinte estudos mostra que os originais são tão bons quanto as suas cópias.

 

 

O original pode ser lido aqui:

http://brasil.elpais.com/brasil/2016/08/02/ciencia/1470125640_368210.html

.

Pág. 1/2