Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

Publicidade

26
Out15

Dentista (uma pequena deambulação)

Quando olho para os problemas com que me vou deparando na vida, parece que de uma forma ou outra quase todos têm ou tiveram influência da doença. Neste caso vou abordar o dentista. Aquele médico que trata dos dentes.... e ao qual... eu... já não ia desde 2007 (8 nos)!!!! Não me recordo se já contei a história da minha vida dos meus dentes, portanto vou deixar aqui a versão resumida.

 

Não sei se nasci com ou sem teclado (tudo indica que não ). Os dentes de leite nasceram como deve ser. O mesmo não pode ser dito dos definitivos que foram afectados pelas elevadas? doses de cortisona que tive de tomar para domar a doença. Não me recordo ao certo quanto tempo depois de tomar os corticoides comecei a ter dores, mas eram dores horríveis que pareciam estar dentro da cabeça, não se pareciam com as dores normais de dentes. Também não me recordo dos passos seguidos até ao diagnóstico (estes vazios de memória são um pouco assustadores) mas por uma ou outra razão lá se fez um RX panorâmico e descobriu-se que tinha dois dentes inclusos, um canino de cada lado se a memória não me falha. A solução para o problema não era fácil, primeiro tive de por um aparelho, que à primeira vista até parecia giro... até ficar a primeira semana inteira sem conseguir mastigar absolutamente NADA! Quem já usou aparelho deve saber como são aquelas dores iniciais. Mas as dores não ficaram por aqui, ainda tinha os sacanas dos dentes dentro da gengiva e em cima dos outros dentes a empurra-los todos para fora! (Quem não percebeu isto, basta pesquisar o que são dentes inclusos.)

 

Mais uma vez não me lembro de muitos pormenores, apenas que fui operado uma ou duas vezes, a sério que não me lembro . Lembro-me sim da anestesia oral mais dolorosa de toda a minha vida, uma injecção num nervo, ou algo que o valha, da boca que doeu, tanto, tanto, tanto, mas tanto, que lágrimas escorriam-me pela cara e o estomatologista ainda gozou comigo haha, o sacaninha! Sei que duas coisas foram feitas, não obrigatoriamente por esta ordem e talvez não todas no mesmo dia. Uma foi arrancarem-me os dois últimos dentes de leite, e prenderem uma corrente entre os dentes inclusos e ao aparelho, a ideia era puxar os dentes aos poucos para o lugar certo, a cada x consultas de ortodontia puxavam as correntes um elo mais à frente. A outra foi a proeza fantástica de me terem sido arrancados os quatro, QUATRO, (4), dentes do ciso todos no mesmo dia e num espaço de tempo que diria que não durou mais de 10 minutos. Eu não tinha sido avisado que os ia tirar todos e podem imaginar como uma pessoa fica depois de tanto "mau trato". A senhora da recepção foi super simpática e perguntou-me se estava tudo bem... e eu fui super mal criado na resposta que lhe dei , ela não tinha culpa. Eu por outro lado tinha a boca cheia de chumaços, não a podia abrir e as dores já estavam a aparecer, estava limitado a beber líquidos por uma palhinha. Sinto um certo remorso por ter sido resmungão com a rapariga, não havia qualquer necessidade. Não tive inchaço nenhum, nem infecção nem qualquer complicação. Suponho que ser um cirurgião a tirar os dentes tem as suas vantagens.

 

Passaram-se uns quantos anos de aparelho com muitas dores de dentes à mistura, o que faz parte do processo de endireitar os dentes mas que é uma bela porcaria ao mesmo tempo! Quando tiraram o aparelho puseram uma parte que fica na parte de trás dos dentes da frente inferiores para que ficassem direitos.Mmas aquilo dava-me dores e estava sempre a saltar. Um dia passei-me, e disse para mim mesmo (e à dentista que queria tirar tudo). Já me bastavam as dores do Crohn, ainda ter de aturar dores na boca e não poder trincar certos alimentos porque podia soltar esse mini aparelho. Não me importava de ter os dentes tortos se isso significasse uma dor a menos.

 

E então chegamos à fase actual. Ganhei uma fobia de dentistas. Os mais velhos saberão como os dentistas melhoraram nos últimos anos, o meu primeiro dentista era um autentico sapateiro. Ainda por cima tinha o consultório em Lisboa, como íamos de transportes públicos tínhamos de andar imenso a pé para lá chegar, era um suplicio, era um suplicio o que ele fazia na minha boca, era um suplicio voltar a andar o caminho todo a pé de volta para a estação do Cais-do-Sodré, depois foi um suplicio pôr o aparelho, um suplicio a cirurgia, um suplicio de dores sempre que me apertavam o aparelho e as horas que passei à espera naquele consultório. O meu sentimento, ou ressentimento para com o ritual de ida ao dentista já não é consciente, não é medo, é uma aversão visceral a todo o processo mesmo sendo o meu dentista actual bastante bom! Não tenho dores com ele e é bastante profissional. Mas desde a última consulta fui deixando o tempo passar e quanto mais tempo passava menos vontade tinha de lá ir e a coisa foi-se arrastando e arrastando até chegar à situação que descrevo.

 

Obviamente não fui lá por iniciativa própria, fui lá porque fui basicamente obrigado a ir. O dentista começou a conversa a perguntar se durante este tempo tinha ido a outro dentista :lol: , reacção natural.... pelo menos não me pareceu chateado com isso. Fez-me um RX panorâmico para ver em que estado estavam os dentes e fez uma destartarização. Tenho duas cáries pequenas de cada lado nos molares, de resto não tenho nada. ALIVIO! Daqui para a frente não vou certamente deixar passar tanto tempo. Atualmente tenho todos os dentes, menos os quatro cisos sequestrados , e pretendo manter os dentes por mais algum tempo.

 

É esta a história de como o Crohn me afectou as idas ao dentista.

8 comentários

Comentar post