Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

Blog Vencer a Doença de Crohn

Blog que acompanha a evolução da (minha) doença de Crohn, e que aborda temas/assuntos relativos à doença.

31
Mar09

Contra Indicações

       A primeira vez que fui ao hospital para me preparar para o tratamento, falei com um médico, disse-me o que me podia acontecer, fiquei alarmado e durante mais de 6 meses não lá voltei a por os pés. E como pessoa teimosa e orgulhosa só lá voltei quando estava de rastos, todos temos um momento em que engolimos o orgulho, baixamos as nossas armas e defesas e rendemos-nos às evidências! É verdade, foi necessário muito tempo e estar muito mal para eu me dar conta que estava mesmo a precisar de ajuda. O meu médico disse-me que era a única alternativa que tinha, e que com o Humira eu ficaria a 100% coisa que nunca estive nestes meus 13 anos de doença.

 

       Fui ao hospital, levei as duas injecções, já escrevi sobre isso, podem ler.

 

       Quando cheguei a casa, pela primeira vez com acesso à caixa do Humira, li o panfleto informativo que com ele vem. Fiquei muito deprimido, deu-me vontade de chorar, quase não conseguia conter as lágrimas, já fui hipocondríaco, já deixei de ser, cheguei a ser o inverso, nada me preocupava.

 

       Agora não sei o que sou, mas tenho medo e qualquer pessoa subitamente confrontada com a sua mortalidade sente um calafrio, porquê a mim? Porque é que aceitei fazer o tratamento? Porque é que assinei aquele papel em que assumia as responsabilidades? Porque é que deixei que me dessem as duas injecções. Pensei em como não havia como voltar atrás e como tinha cometido de todas a maior asneira da minha vida.

 

       Fica aqui a lista de efeitos secundários nos quais constam algumas doenças FATAIS! 😐

 

       Como todos os medicamentos , Humira pode causar efeitos secundários, no entanto estes não se manifestam em todas as pessoas. A maioria dos efeitos secundários são ligeiros a moderados. No entanto, alguns podem ser graves e requerer tratamento. Podem ocorrer efeitos secundários pelo menos 5 meses após a última injecção de Humira.

 

       Informe imediatamente o seu médico se tiver algum dos seguintes sintomas:

 

  • Pele muito irritada, comichão ou outros sinais de reacção alérgica;
  • Inchaço da face, mãos, pés;
  • Dificuldade em respirar, em engolir;
  • Falta de ar durante o esforço ou quando deitado ou inchaço dos pés;
  • Sinais ou sintomas sugestivos de alterações sanguíneas tais como febre persistente, nódoas negras, hemorragias, palidez.

 

       Informe imediatamente o seu médico se tiver algum dos seguintes efeitos secundários:

 

  • Sinais de infecção tais como febre, má disposição, feridas, problemas dentários ou sensação de ardor ao urinar;
  • Sensação de fraqueza ou cansaço;
  • Tosse;
  • Formigueiro;
  • Dormência;
  • Visão Dupla;
  • Sensação de fraqueza nos braços ou pernas;
  • Inchaço ou ferida aberta que não cicatriza.
  •  

       Os sintomas descritos acima podem ser sinais dos efeitos secundários descritos a seguir e que foram observados com Humira:Muito frequentes (em mais de 1 em 10 doentes):

 

  • Reacções no local da injecção (incluindo dor, inchaço, vermelhidão ou comichão)

 

       Frequentes (em mais de 1 em 100 doentes mas menos de 1 em 10 doentes):

 

  • Infecções do tracto respiratório inferior (tais como bronquite, pneumonia);
  • Infecções do tracto respiratório superior (incluindo, nariz a pingar, infecção sinusal);
  • Infecção viral (incluindo gripe, sintomas gripais, zona);
  • Infecções bacterianas (incluindo infecção do tracto urinário);
  • Infecções fúngicas;
  • Tonturas, vertigem, dor de cabeça, alterações neurológicas;
  • Tosse, garganta inflamada;
  • Náuseas, diarreia, dor abdominal. inflamação e úlceras da boca;
  • Enzimas hepáticas elevadas;
  • Erupção, comichão;
  • Dor musculoesquelética;
  • Febre, cansaço.

 

       Pouco frequentes (em mais de 1 em 1.000 doentes mas menos de 1 em 100 doentes)

 

  • Infecções graves (incluindo tuberculose, histoplasmose e sepsia [envenenamento do sangue]), infecções articulares;
  • Infecções na pele, verruga, infecções fúngicas superficiais;
  • Anemia, diminuição da contagem de glóbulos brancos e plaquetas, linfopenia (baixa contagem de células imunológicas);
  • Inchaço dos nódulos linfáticos;
  • Lúpus eritematoso sistémico;
  • Reacções alérgicas (incluindo alergias sazonais e a medicamentos);
  • Aumento dos valores dos lípidos, alterações de apetite;
  • Ansiedade, depressão, sonolência e dificuldade em adormecer, tremores;
  • Alterações visuais, inflamação ou infecção ocular;
  • Desconforto auricular;
  • Sensação de batimento cardíaco irregular, pressão arterial alta, rubor;
  • Asma, dificuldade em respirar, rouquidão;
  • Sintomas abdominais (tais como vómito, prisão de ventre), hemorragia rectal;
  • Afectações cutâneas (tais como psoríase, eczema ou infecções), erupção cutânea com comichão, cicatrização lenta de feridas, queda de cabelo;
  • Fraqueza muscular;
  • Perturbações urinárias (tais como sangue na urina, aumento da frequência urinária);
  • Aumento do fluxo menstrual;
  • Sintomas tipo gripe, dor de peito, inchaço dos pés;
  • Lesão acidental, diminuição na cicatrização.

 

       Raros (em mais de 1 em 10.000 doentes mas menos de 1 em 1.000 doentes);

 

  • Pressão elevada dentro dos olhos, inflamação da parte colorida do olho, inflamação extensa do olho;
  • Cancro de pele, cancro, cancro que afecta o sistema linfático, melanoma maligno;
  • Alterações na tiróide;
  • Proteínas na urina;
  • Redução nas plaquetas sanguíneas que aumenta o risco de hemorragia ou de nódoas negras, diminuição das células sanguíneas que pode causar fraqueza, nódoaas negras ou maior probabilidade de ocorrerem infecções;
  • Dor no peito, o coração deixa de bombear, bloqueios nas artérias do coração, fluído à volta do coração que pode causar dor grave no peito, problemas no coração que podem causar falta de ar ou inchaço nos tornozelos, sensação de batimento cardíaco rápido;
  • Perda de audição, zumbidos;
  • Inflamação do pâncreas que causa dor grave no abdómen e costas, inflamação que causa dor abdominal e diarreia, bloqueio do intestino que causa náuseas e vómitos, inflamação que causa dor ao engolir, indigestão, inflamação do estômago que causar dor no abdómen, náuseas e vómitos;
  • Lesão extensa do fígado, sintomas abdominais (como por exemplo vómitos, indigestão, prisão de ventre), excesso de gordura no fígado que pode causar desconforto abdominal, cansaço e mal-estar, pedras na bexiga que podem causar dor grave e febre, análises do sangue que mostram alterações no funcionamento do fígado;
  • Inflamação que causa febre, erupções na pele, dor nas articulações;
  • Inflamação do intestino grosso que causa febre dor abdominal e cãibras, prisão de ventre, destruição dos tecidos profundos e pele causados pela infecção;
  • Níveis elevados de cálcio no sangue que geralmente não apresentam sintomas mas podem causar dor abdominal, depressão, fraqueza e pedras no rim, valores baixos de cálcio no sangue que podem causar formigueiro nos dedos das mãos e dos pés e cãibras musculares;
  • Colapso muscular anormal que pode originar problemas renais;
  • Inchaço do fundo da garganta, líquido à volta dos pulmões que pode causar falta de ar, dor ao fazer uma inspiração profunda;
  • Inflamação da gordura abdominal causando nódulos dolorosos na pele;
  • Quisto na parede de uma artéria maior bloqueio de uma válvula do coração geralmente sem sintomas mas que pode causar falta de ar com exercício, dor no peito e desmaio, inflamação e coágulo de uma veia, bloqueio de um vaso sanguíneo, sensação de batimento cardíaco rápido;
  • Esclerose múltipla, fraqueza no músculo facial ou paralisia;
  • Síndrome de Guillain-Barré, (fraqueza muscular, sensações anormais, formigueiro nos braços e na parte superior do corpo);
  • Perfuração intestinal:
  • Linfoma hepatoesplénico de linfócitos T.